Prevention and Care of Common Kidney Diseases at Single ClickA incidência de doenças renais tem aumentado rapidamente. Venha fazer parte dos que assumiram a missão de prevenir e cuidar dos problemas renais.

« Table of Contents

Capítulo 11: Doença Crônica Renal - Sintomas e Diagnósticos

Topics
  • Doença Crônica Renal - Sintomas e Diagnóstico
  • Sintomas
  • Diagnóstico

Na doença renal crônica (DRC) a função dos rins vai se perdendo amente durante meses, até anos; assim, o corpo começa a se tar aos efeitos malignos da doença Além do mais, o rim tem a aordinária capacidade de compensar parcialmente os problemas suas funções. Devido a essas condições, a maioria das pessoas m doença renal crônica apresenta sintomas apenas quando a ção renal está gravemente comprometida.

Os rins executam uma variedade de funções no corpo (eliminam dutos finais do metabolismo e excesso de líquidos, controlam ssão arterial alta, equilibram substâncias químicas, produzem bulos vermelhos, etc) Portanto, dependendo da amplitude da ermidade, nas diferentes funções dos rins, os problemas clínicos ntomas variam largamente de doente para doente.

Quais são os sintomas de doença renal crônica?

Os sintomas variam dependendo da gravidade da doença. Para ender melhor e planejar uma estratégia para o tratamento, a nça renal crônica é dividida em cinco fases, baseadas da taxa iltração glomerular (TFG). Essa taxa reflete como os rins estão ando os produtos finais do metabolismo; isso pode ser estimado o valor da creatinina no exame de sangue. A TFG é uma medida rada para verificar a função renal e seu valor normal é maior 90 ml/min.

Na fase inicial da DRC a maioria
dos doentes não apresenta sintomas.
48. Previna-se Salve Seus Rins

Fase 1 (função renal cerca 90-100%)

Fase precoce e assintomática, sem dano ao rim (creatinina normal). A Fase 1 da doença renal crônica pode ser verificada através de exames laboratoriais de rotina ou por diagnóstico casual em exame de outras doenças. Sinais da fase I podem ser: presença de proteína na urina, danos na estrutura observados no Raio X, ultrassom, ressonância magnética ou tomografia computadorizada, ou história familiar de rim policístico.

Fase 2 (função renal cerca 60-89%)

Doença renal crônica branda. Os pacientes podem ser assintomáticos, mas os sinais são: nocturia, pressão arterial alta, anormalidades na urina e creatinina normal ou um pouco alta.

Fase 3 (função renal cerca 30-59%)

Doença renal crônica moderada, pacientes assintomáticos ou com sintomas brandos, apresentando ao mesmo tempo anormalidades na urina e creatinina alta.

Fase 4 (função renal < que 15%-29%)

Doença dos rins grave. Na fase 4, os pacientes têm sintomas entre brandos a não definidos até sintomas muito graves, dependendo da causa adjacente da doença renal e outras doenças presentes.

Fase 5 (função renal < que 15% )

Muito grave. Fase final, com diversos sintomas, de moderados a muito graves, até complicações com risco de vida. Nesta fase, embora com tratamento eficaz com medicamentos, os sintomas aumentam e a maioria precisa de diálise ou transplante.

Pressão arterial alta e não controlada na
juventude é indicativa comum de DRC.
Cap. 11 Doença Crônica Renal - Sintomas e Diagnóstico 49.

Sintomas comuns de doenças renais

  • Perda de apetite, náuseas e vômitos.
  • Fraqueza, esgotamento com pouco esforço e perda de peso.
  • Inchaço (edema) na parte inferior das pernas, mãos ou ao redor dos olhos.
  • Pressão arterial alta, especialmente quando jovem ou hipertensão grave não controlada.
  • Palidez causada por anemia, pela dimimuição da produção de eritropoietina pelos rins.
  • Insônia, probelmas de concentração, vertigem
  • Coceira, câimbras nos músculos ou pés agitados e falta de concentração.
  • Dores das costas logo abaixo das costelas.
  • Urgência para urinar, especialmente à noite. (noctúria).
  • Dores nos ossos e fraturas em adultos e retardamento de crescimento em crianças pela redução da produção da forma ativa da vitamina D pelos rins. Decréscimo do intereesse sexual e falta de ereção em homens, problemas menstruais em mulheres.
  • As doenças renais estão fortemente ligadas às doenças do coração.

Quando se suspeita que o doente com PA alta tem DRC?

Essa suspeita se dá quando o paciente:

  • Tem menos de 30 e mais de 50 anos quando diagnosticado com hipertensão
A DRC é causa importante do valor baixo de
hemoglobina quando não responde ao tratamento.
50. Previna-se Salve Seus Rins
  • Em caso de pressão arterial muito alta na hora do diagnóstico (exemplo mais de 200/120mm de Hg)
  • Mesmo com tratamento regular a pressão arterial é grave e não controlada
  • Tem problemas de visão pela hipertensão, apresenta proteína na urina
  • Hipertensão está ligada a sintomas sugerindo DRC, como inchaço, perda de apetite, fraqueza etc

Quais as complicações possíveis no caso de fase avançada de DRC?

A DRC pode levar à falência renal e a complicações que põem a vida em risco.

As complições pontenciais são :

  • Grave dificuldade em respirar e dor do tórax por retenção de fluidos, especialmente nos pulmões (edema pulmonar) , além de PA mutio alta
  • Náusea e vômitos intensos
  • Fraqueza importante
  • Complicações do sistema nervoso central: confusão, insônia excessiva, convulsão e coma
  • Alto nível de potásio no sangue hiperpotassemia a qual pode prejudicar o de funcionamento do coração, pondo a vida em risco
  • Pericardite, inflamação do pericárdio, (membrana em forma de bolsa que cobre o coração)
Fraqueza, perda de apetite, náusea e inchaços são
sintomas e melhor indicações precoces de doença renal crônica
Cap. 11 Doença Crônica Renal - Sintomas e Diagnóstico 51.

Diagnóstico de doença renal crônica

A doença renal crônica geralmente não mostra sintomas na fase inicial, quando apenas os exames de laborotório podem indicar os problemas. Os exames devem ser solicitados quando há suspeitat da doença em exame clínico ou exame de rotina em pessoa com grande risco de doença renal crônica. Três processos simples para verificar doença renal crônica são: verificar PA, exame de urina, exame de sangue para verficar taxas de albumina e creatinina.

1. Hemoglobina

No exame de sangue de um doente com doença renal crônica, o nível de hemoglobina é baixo. O baixo nivel de hemoglobina (anemia) se deve à redução da eritropoietina produzida pelos rins.

2. Exame de urina

A presenca de albumina ou proteína na urina (conhecida como albuminúria ou proteinúria) e indicação precoce de doença renal crônica. Mesmo pequenas quantidades de albumina na urina podem ser as primeiras indicações de DRC na diabetes. A presença de proteína na urina pode ser devidoa febre ou exercicios pesados . Assim, é melhor excluir outras causas de proteinúria antes de concluir pelo diagnóstico de doença renal crônica.

3. Creatinina, ureia e eTFG

São exames de sangue simples e mais comumente usados para diagnosticar e monitorar falência renal. Quando as funções dos rins comecam a piorar, o nível de creatinina e ureia aumentam. O controle regular da creatinina ajuda a verificar o progresso e a reação ao tratamento da doença renal crônica.

Três exames simples podem salvar seus rins. Verifique
a pressão arterial, a urina para controlar a proteína e eTFG.
52. Previna-se Salve Seus Rins.

O nível de creatinina no sangue é guia útil das funções dos rins porém TGF estimada é uma medida mais apurada. O exame de eTFG revela a doença dos rins na fase precoce é mais seguro do que o exame de creatinina somente. O exame de eTFG é calculado baseado na idade, sexo e nível de creatinina no sangue e serve para diagnosticar e verifica o progresso e a gravidade da DRC. Baseado no exame de eTFG , é possivel verificar a doença crônica dos rins em cinco fases. Esta divisão serve para recomendar exames adicionais e sugerir o tratamento correto.

4. Ultrassonoografia dos Rins

É um modo simples e eficaz de diagnosticar a doença renal crônica. Rins que se apresentam diminuídos ajudam no diagnóstico, mas rins normais e até grandes podem apresentar a doença, quando se trata de adultos com rins policísticos, nefropatia diabética e amiloidose. Também usada para diagnosticar doença renal crônica por obstrucão urinária ou pedras nos rins.

5. Outros Exames

A DRC causa vários problemas nas funções renais e, para avaliá- los, realizam-se diversos exames. Fazem-se exames de sangue frequentes em pacientes com DRC para verificar presença de eletrólitos e equilíbrio de hidroeletrolítico e ácido básico (sódio, potássio, magnésio, bicarbonato) exames para verificar anemia (hematócrito, ferritina, saturação de transferrina, esfregaço periférico (amostra externa) exames para avaliar doenças ósseas (cálcio, fósforo fosfatase alcalina, hormônio da paratireóide) outros exames gerais (albumina, colesterol, triglicerídeos, glicose e hemoglobina glicada) e eletrocardiog rama, e ecocardiografia.

Rins pequenos e contraídos na
ultrassonografia indicam DRC.
Cap. 11 Doença Crônica Renal - Sintomas e Diagnóstico 53.

Quando um paciente com DRC deve procurar o médico?

Deve fazê-lo imediatamente se ele:

  • Tem ganho de peso rápido e inexplicado, redução acentuada no volume de urina, agravamento de inchaço, falta de ar ou dificuldade em respirar quando deitado na cama
  • Dor no peito, ritmo cardíaco muito lento ou rápido
  • Febre, diarreia grave, grave perda de apetite, vômitos intensos, vômitos com sangue ou perda de peso inexplicada
  • Fraqueza muscular Importante grave de origem recente
  • Desenvolvimento de sonolência, confusão ou convulsão
  • Recente piora da pressão arterial
  • Urina vermelha ou com sangramento excessivo










Febre, novos sintomas ou rápido agravamento dos
sintomas renais precisam de atenção urgente
wikipedia
Indian Society of Nephrology
nkf
kidneyindia
magyar nephrological tarsasag